Skip to main content

Fujifilm abre filial no Rio de Janeiro


A divisão de equipamentos ópticos da Fujifilm, antes conhecida como Fujinon, abre o segundo centro de reparos de lentes, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, em parceria com a Trevisans, seu representante exclusivo. A primeira unidade de serviços da Trevisan se encontra em São Paulo.

Os motivos que levaram a decisão de inaugurar um escritório no Rio de Janeiro foram: o contínuo crescimento da base de clientes no país, a crescente demanda por lentes Fujinon e a necessidade de ampliar a presença da marca no Brasil.

Com a antecipação do aumento da demanda pelas lentes HD Broadcast da Fujinon devido aos vários eventos esportivos que serão sediados no Brasil incluindo: a Copa das Federações, em junho de 2013, a Copa do Mundo, em junho de 2014, e os Jogos Olímpicos, em agosto de 2016, a Fujinon prevê a necessidade de uma estrutura de manutenção preventiva e reparo de lentes no país.

"Emissoras e produtoras internacionais virão ao Rio de Janeiro e outras cidades brasileiras para cobrir ao vivo estes renomados eventos internacionais", disse Toshi Tanaka, presidente da divisão de serviços ópticos da Fujifilm. "Durante os jogos da Copa do Mundo e Jogos Olímpicos, é crucial que tenhamos um centro de serviços local para atender as necessidades das emissoras de televisão e caminhões de externa que almejarão um desempenho excelente dos seus equipamentos. Estamos muito contentes com a parceria com a Trevisan que irá fornecer suporte de vendas e manutenção para a nossa crescente base de clientes na cidade do Rio de Janeiro e adjacências".

Segundo Estefano Trevisan, presidente da divisão de serviços de lentes e câmeras da Trevisans, o novo centro de serviços regional representa uma oportunidade para expandir a atual base de clientes da empresa. "A parceria com uma empresa reconhecida por seu excelente serviço e fidelidade aos clientes numa cidade com uma indústria de produção de vídeo tão ativa é uma excelente oportunidade. Esperamos ampliar o nosso alcance na comunidade de produção do Rio de Janeiro", conclui Trevisan.