Skip to main content

NOVIDADES: Brasil incentiva adoção de ISDB-T por países africanos


À medida que os radiodifusores africanos estão avaliando a escolha de seu padrão para televisão digital terrestre, o governo brasileiro tem promovido a adoção do padrão nipo-brasileiro oferecendo incentivos aos países que desistirem da escolha do padrão americano e europeu, o DVB-T.

Durante viagem ao continente africano em julho, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua comitiva oficial, composta de empresários e técnicos brasileiros, ofereceram aos governos do Quênia e África do Sul, linha de crédito e capacitação de técnicos em troca da adoção do sistema nipo-brasileiro. Também foi prometido ajuda na fabricação de televisores e set-top-boxes.

Estima-se que a maior parte dos países siga a decisão da África do Sul, o maior país radiodifusor do continente, que assinou um acordo de preferência pelo DVB-T em 2006.

Em abril deste ano, o departamento das comunicações da África do Sul anunciou que iria rever a sua decisão pelo padrão DVB-T, o que surpreendeu muitos radiodifusores.

O grupo de telecomunicações Altech ameaçou processar o governo caso este troque o sistema de transmissão de sinais. Segundo o CEO da Altech, Craig Venter, o radiodifusor já investiu 700 milhões de Rands (moeda sul-africana) no sistema DVB-T nos últimos quatro anos.

Os opositores da nova decisão alegam que a mudança de sistema digital a este estágio teria um impacto negativo, pois além de acarretar um prejuízo financeiro à África do Sul, também adiaria a implantação da TV digital no país.

Um comitê parlamentar advertiu o governo a "ter cautela" ao considerar as conseqüências de uma eventual mudança de decisão.